sociais

logos

Cresce Brasil

Os chamados partem das Américas. Na Argentina, o grupo Movimiento Popular Seamos Libres  mobiliza as trabalhadoras para uma greve internacional no 8 de Março: Paramos porque nós, mulheres, somos trabalhadoras e nossos direitos não estão garantidos: ainda não recebemos o mesmo salário que os homens pelo mesmo trabalho e temos umas dupla jornada, em casa e fora dela; estamos subrepresentadasnas organizações políticas e sindicais  e a agenda feminista aindanão está entre as reivindicações centrais". “Se nosso trabalho não vale, produzam sem nós”, diz  Cecilia Palmeiro, uma das porta-vozes de “Ni Una Menos”,  na Argentina.

Nos Estados Unidos, as feministas lançaram convocatória para o 8 de março, a ser celebrado como "  um dia de greves, marchas e bloqueios de estradas, pontes e praças; abstenção do trabalho doméstico, de cuidados e sexual; boicote e denúncia de políticos e empresas misóginas, greves em instituições educacionais”. O manifesto é assinado por mulheres conhecidas mundialmente,  como  Angela Davis e Nancy Fraser e faz referência às marchas que marcaram, no dia 21 de janeiro,  protestos das americanas contra a posse de Donald Trump na presidência dos Estados Unidos.

No Brasil, mulheres de movimentos sociais e ativistas em diversas entidades juntaram-se ao chamado do movimento feminista que tradicionalmente organiza atos no 8 de Março para ampliá-los e torná-los parte da grande mobilização Internacional e, ao mesmo tempo, mobilizar contra os retrocessos em curso no Brasil. O manifesto brasileiro explicita, já no título, que são Movimentos de mulheres contra a reforma  da Previdência, convocando para as lutas no mês de março de2017.

O texto denuncia que o governo de Michel Temer está na contramão do reconhecimento da sobrecarga de trabalho e responsabilidades historicamente imputadasàs mulheres, como é o caso da proposta de reforma da Previdênciaque que propõe igualar a idade de homens e mulheres para 65 anos, com 25 anos de "um feminismo solidário com as trabalhadoras, suas famílias e aliados em todo o mundo”.

O manifesto americano também acentua essa conexão das lutas das mulheres com as reivindicações no mundo do trabalho. Citando várias manifestações recentes, na América Latina, nos EUA, na Polônia e na Coreia do Sul, o texto destaca a emergência de um feminismo ampliado para os 99% da população."O que é impressionante nessas mobilizações é que várias delas combinaram lutas contra a violência masculina com oposição à informalização do trabalho e à desigualdade salarial, ao mesmo tempo em que se opõem as políticas de homofobia, transfobia e xenofobia. Juntas, eles anunciam um novo movimento feminista internacional com uma agenda expandida – ao mesmo tempo anti-racista, anti-imperialista, anti-heterossexista e anti-neolibera. Queremos contribuir para o desenvolvimento deste novo movimento feminista mais expansivo."

Para esse levante das mulheres em todo mundo,  convocatórias em mais de trinta países apontam para a disposição de  "ajudar a construir uma greve internacional contra a violência masculina e na defesa dos direitos reprodutivos no dia 8 de março. Nisto, nós nos juntamos com grupos feministas de cerca de trinta países que têm convocado tal greve.

  Nas Ampericas, além de Brasil, Argentina e EUA, já existem convocatórias para o chamado Dia sem Mulher de  feministas da  Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador,  México, Nicarágua, Peru,El Salvador, Guatemala, Honduras, r e  Uruguai. No resto do mundo, já aderiram à paralisação feministas  da Austrália, República Checa, Inglaterra, França, Alemanha,  Islândia, Irlanda do Norte, Irlanda, Palestina,  Itália, Polônia, Rússia, Escócia, Coreia do Sul, Suécia, Togo, Turquia.

Redação FNE

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

logoMobile