sociais

logos

Cresce Brasil

Ao tratar da Engenharia de Manutenção, evento realizado pela Federação Nacional dos Engenheiros e pelo SENGE repete sucesso alcançado nas edições anteriores por todo o país.

Em mais um evento de sucesso, comprovado pela lotação máxima do Auditório SENGE e pelas centenas de visualizações da transmissão ao vivo pelas redes sociais, o Sindicato dos Engenheiros e a Federação Nacional dos Engenheiros realizaram nessa quinta-feira mais uma edição do Seminário Cresce Brasil. Na pauta, os desafios da Engenharia de Manutenção.

Lançado em 2006 pela FNE e os sindicatos a ela filiados, o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento nasceu como uma contribuição da categoria a um plano nacional de desenvolvimento sustentável com inclusão social, fruto de debates realizados com milhares de profissionais em todo o País.

Ao longo dos anos, o Cresce Brasil tratou de temas como PAC, Regiões Metropolitanas, Superação da Crise, Copa 2014, recuperação da Indústria, cidades, retomada da Engenharia Nacional e em 2019, a Engenharia de Manutenção, em resposta às sucessivas crises provocadas a partir de episódios como o rompimento de barragens, queda de viadutos e prédios, entre outros.

A cerimônia de abertura contou com a participação do presidente do SENGE, Alexandre Mendes Wollmann, do presidente da FNE, Murilo Pinheiro, da vice-presidente e presidente em exercício do CREA-RS, Alice Helena Scholl, do presidente da Mútua, Paulo Guimarães e da coordenadora do Núcleo Jovem Engenheiro da FNE, Marcellie Dessimoni.

Em seu pronunciamento de boas-vindas, o presidente do SENGE, Alexandre Wollmann, ressaltou a importância do tema para a engenharia e para a sociedade. Um debate que, segundo destacou, é fundamental e deveria ser discutido com maior recorrência em debates e nas universidades. Wollmann também falou sobre a importância do trabalho desenvolvido pelo SENGE pela valorização da Engenharia, decisivo para a retomada do crescimento socioeconômico do País, conforme enfatizou.

Na sequência foi a vez do presidente da Mútua, Paulo Guimarães, manifestar sua satisfação pessoal e de sua entidade em participar do Projeto Cresce Brasil, oferecendo apoio a iniciativas que busquem a aproximação dos profissionais para debate de temas. Guimarães destacou também a necessidade de buscar a união da toda a Engenharia brasileira. 

Em seguida, a presidente do CREA-RS, engenheira Alice Scholl, falou sobre o orgulho em participar da iniciativa à frente do CREA mas também sobre a satisfação de fazer parte do SENGE. “Tenho orgulho de fazer parte desse Sindicato. A Engenharia vai ser valorizada se nós, como engenheiros, também nos valorizarmos”, declarou ela, que por fim, também parabenizou a FNE e o SENGE pela realização do evento de absoluta relevância para profissionais e para a sociedade.

Coordenadora do Núcleo Jovem da FNE, a engenheira Marcellie Dessimoni também teve sua fala na abertura. A necessidade de protagonismo e a tomada de atitudes foram destacadas pela profissional como o caminho para a valorização da engenharia no Brasil.

Já o presidente da FNE, Murilo Pinheiro, iniciou a sua saudação falando sobre a relevância do SENGE-RS. “É uma honra para nós da Federação ter um Sindicato forte e atuante como o SENGE do Rio Grande do Sul, politizado seriamente, e participativo. Parabéns à toda a diretoria por isso e também por esse evento”, declarou.

O presidente da FNE também fez um relato sobre a criação do Cresce Brasil, que foi idealizado em 2006 com o objetivo de apresentar propostas concretas para os então candidatos á presidência. “Hoje eu acho que nós temos que continuar com essa discussão. Vamos discutir em cima de propostas, vamos ver o que nós podemos fazer para um Brasil melhor. A partir da nossa proposição, foi criado o PAC. Nosso projeto não foi uma base, mas serviu como um espelho para o PAC. Acho que todos nós devemos sempre contribuir para o Brasil que nós queremos”, destacou.

Em seguida, a programação do evento prosseguiu com a apresentação do primeiro palestrante da tarde, o professor Luiz Capraro, engenheiro civil mestre em perícias, inspeção predial e assistência técnica. O profissional, que foi coordenador Nacional das Câmaras Especializadas de Engenharia Civil do CONFEA e é secretário Geral da ABANC Nacional - Associação Brasileira de Engenheiros Civis, falou sobre inspeção predial, oportunidades e desafios para a Engenharia.

Em seguida, o engenheiro Ciro José R. V. Araújo, chefe da Seção de Engenharia de Estruturas do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), falou sobre inspeção de pontes e viadutos, abordando principais anomalias e a importância da manutenção.

O profissional abordou anomalias existentes desse tipo de inspeção, e também apresentou alguns estudos de caso.

Para falar sobre a engenharia de manutenção no contexto da prevenção de incêndios, o palestrante seguinte foi o engenheiro eletricista e de Segurança do Trabalho, doutorando em Engenharia de Segurança ao Incêndio pela Universidade de Coimbra, Gustavo Silva da Rocha.

O profissional, que também é diretor do SENGE-RS, apresentou palestra com o tema “Identificação de patologias em instalações elétricas com potencial de causar incêndios”.

A última apresentação da tarde ficou a cargo do palestrante Alexandre Nakashato. Gerente nacional de vendas e instrutor da crosby-gunnebo, o profissional é técnico em instrumentação industrial, bacharel em comércio exterior, com experiência em diferentes aplicações industriais, e falou sobre segurança nas atividades de elevação de carga.

Para encerrar, um debate foi realizado, ocasião em que os palestrantes responderam as perguntas do público presente.

O evento teve transmissão ao vivo pela página do SENGE no Facebook , naTV SENGE, no Youtube e no site da FNE

 

Adicionar comentário


logoMobile