sociais

logos

Cresce Brasil

MA

Condição da pavimentação asfáltica nas vias públicas       

Esse foi o principal tema debatido no seminário: “Qualidade de obras e serviços públicos de engenharia e agronomia no estado do Maranhão”, promovido pelo Senge-MA, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) e Clube de Engenharia do Maranhão. O professor Walter CanalesSant’Ana, da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), apresentou um panorama sobre os avanços e desafios acerca da qualidade da pavimentação asfáltica nas vias públicas do estado. Segundo ele, algumas ações devem ser efetivadas para obtenção da melhoria da qualidade das obras de pavimentação no Maranhão, entre elas: elaboração de bons projetos; contratação de empresas capacitadas associando a execução e a manutenção preventiva e corretiva atuantes da via após o término da obra por alguns anos; fiscalização eficiente, exigente e capacitada; gerenciamento adequado da malha rodoviária, respaldado tecnicamente, de modo que se tenha uma situação atualizada de sua funcionalidade; concessão ao setor privado dos trechos de maior tráfego da malha rodoviária; implantação de um sistema de pesagem. E os principais, capacitação do corpo técnico dos diversos setores atuantes nas obras públicas e planejamento orçamentário que garanta a implantação dessas propostas. “Em todas as fases devem existir profissionais qualificados e capacitados para exercer funções que lhes são atribuídas. Improvisação ou ausência de profissionalização são sinônimo de insucesso na execução de uma obra”, assegurou o professor.

RS

Entidade fortalece interiorização

Dando prosseguimento à mobilização pela valorização dos profissionais que atuam nas administrações municipais, o Senge Rio Grande do Sul e a categoria celebraram conquistas em três prefeituras, fortalecendo o reconhecimento por parte dos gestores e da sociedade quanto à responsabilidade desses quadros técnicos para o desenvolvimento local. No dia 29 de março último, a Câmara Municipal de Esteio aprovou projeto de lei que institui a gratificação de responsabilidade técnica ao quadro de servidores, resultante de mobilização iniciada pelo sindicato em setembro de 2013. Desde então, ocorreram reuniões para sensibilizar o Executivo sobre a GRT, que já é garantida em diversos municípios através de legislação própria. No dia seguinte (30), outra realização foi obtida pela entidade. A Câmara de Santa Cruz do Sul ratificou projeto de lei complementar para adequar a carga horária dos engenheiros e arquitetos ao piso salarial da categoria, um avanço devido à ação e insistência junto ao Poder Executivo e apoio dos vereadores. Em Pelotas, foi aprovada lei que autoriza o pagamento de parcela completiva aos profissionais do quadro técnico municipal, no dia 3 de abril último, devido à atuação da diretora regional Alice Scholl. O  Senge buscou o diálogo com o Poder Executivo e adesão das Câmaras de Vereadores, através do desempenho dos diretores de Negociações Coletivas Tadeu Rodriguez e Diego Oliz e da participação dos diretores regionais.

MS

Negociação garante SMP

A diretoria do Senge-MS, empossada em 23 de fevereiro último à gestão 2016/2019, comemora o encerramento da negociação relativa ao salário mínimo profissional, que se arrastava desde julho de 2015. “Conseguimos que a Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) assegure o pagamento do SMP a partir de março deste ano, equivalente a 8,5 salários mínimos vigentes. Uma vitória do bom senso e do reconhecimento dos serviços que os engenheiros e a empresa prestam à sociedade”, disse Jean Saliba, presidente do sindicato. Ele informou ainda que entre as novas ações que estão sendo postas em prática, destaca-se a reforma do Estatuto do Senge, que contemplará maior número de diretorias, dadas as demandas que exigem uma entidade moderna e de vanguarda. Além disso, o site do sindicato está sendo reformulado “com o fito de torná­-lo mais acessível e com maior utilidade nas buscas de interesse dos profissionais”. Também faz parte do planejamento estratégico “aumentar o número de associados para ampliar nossa representatividade e investir em comunicação, como forma de divulgar e valorizar nossas modalidades profissionais”. Conforme Saliba, “o desafio está lançado, resta-nos ir à luta”.

SC

Senge procura prefeituras que ignoram SMP

O Senge Santa Catarina manifestou aos prefeitos dos municípios de Lauro Muller, Fabricio Kusmin Alves; de Chapecó, Luciano Buligon; e de Orleans, Marco Antônio BertonciniCascaes, profundo desapontamento com o tratamento aviltante dado aos engenheiros nessas cidades. Isso ficou explícito nos editais de concurso público das prefeituras, todos com o vencimento básico totalmente incompatível com a dignidade profissional. Em correspondência assinada pelo presidente do Senge, Fábio Ritzmann, e pelo seu vice-presidente e da FNE, Carlos Bastos Abraham, foi enfatizado que os pisos salariais propostos representam um descaso para com a profissão e falta de sensibilidade ante a importância da engenharia para a definição dos destinos das cidades. Além de repudiar as flagrantes discriminações demonstradas por remuneração irrisória, ambos apelaram à sensibilidade dos gestores para que revisem tal postura, reconhecendo a importância da engenharia e dos seus profissionais  para as cidades e o desenvolvimento urbano.

GO

Tertuliano é reeleito à gestão 2016/2019

A chapa “Continuar avançando” venceu o processo eleitoral do Senge-GO e  Gerson Tertuliano foi reconduzido à Presidência da entidade. Compõem a nova direção, como efetivos, Wanderlino Teixeira de Carvalho, Caio Antônio de Gusmão, Cláudio Henrique Bezerra Azevedo, José Augusto Lopes dos Santos, João Batista Tibiriçá e Ana Maria de Deus; o Conselho Fiscal, Samantha Junqueira Moreira, Alexandre Vieira Moura e José Luiz Barbosa Araújo; e representando o Senge junto à FNE, Annibal Lacerda Margon e Marcelo Emílio. O pleito ocorreu no dia 30 de março último, na sede do sindicato.

PI

Engenheiros conquistam PCCS e piso

Foi divulgada no Diário Oficial do Município de Teresina, em 1° de abril, a Lei Complementar nº 4.884/2016 que criou o Plano de Cargos, Carreira e Salários dos engenheiros e arquitetos da Prefeitura  local. O PCCS e outros benefícios salariais foram aprovados pela categoria, após negociação intermediada pelo Senge Piauí em março último. Os profissionais agora possuem o plano próprio e remuneração base acima do piso profissional praticado no setor privado. Engenheiros e arquitetos ingressarão na Prefeitura com vencimento inicial de R$ 5.757,68 e final de R$ 10.360.67. Foi definida ainda a incorporação da gratificação de responsabilidade técnica ao vencimento, com  reajuste de 10,71%. Segundo Antonio Florentino de Souza Filho, presidente do sindicato, o plano representa a valorização profissional e favorece a permanência no serviço público. “Isso mostra a força de uma categoria unida em torno de seu sindicato”, afirma.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

logoMobile